21/09/2017

Documentário More Than Honey


Já vamos começar esse post com um dado meio bizarro divulgado: nos EUA, as perdas de inverno atingiram geralmente 30-50 por cento, em alguns casos, mais. Em 2006, David Hackenberg - um detentor de abelhas há 42 anos - relatou uma queda de 90% entre as 3.000 colmeias. As estatísticas agrícolas nacionais dos EUA mostram um declínio de abelhas de cerca de 6 milhões de colmeias em 1947 para 2,4 milhões de colmeias em 2008, uma redução de 60%. O número de colônias de abelhas trabalhadoras por hectare fornece uma medida crítica da saúde da cultura. Nos Estados Unidos - entre as culturas que requerem polinização de abelhas - o número de colônias de abelhas por hectare diminuiu 90% desde 1962. As abelhas não conseguem acompanhar as taxas de inatividade do inverno e a perda de habitat.


Em todos os lugares, o mesmo cenário se repete: bilhões de abelhas deixam suas colmeias e nunca mais retornam. Nenhuma abelha morta é encontrada nos arredores, e nenhum predador visível pode ser identificado. Esse desaparecimento tem impacto profundo nas dinâmicas da natureza: 80% das espécies de planta precisam de abelhas para serem polinizadas. Sem elas, não existe polinização, e frutas e vegetais poderão desaparecer da face do planeta. De quem é a culpa dessa tragédia? Devemos culpar os pesticidas ou mesmo os medicamentos que usamos para combatê-las? Novos vírus? A multiplicação de ondas eletromagnéticas que acabam afetando as nanopartículas de magnetita nos abdômens das abelhas? Por ora, a resposta parece ser uma combinação de todos esses agentes afetando e enfraquecendo os sistemas imunológicos das abelhas. Este é o pano de fundo do documentário “More than Honey“, dirigido pelo alemão Markus Imhoof. O filme aborda a relação simbiótica entre abelhas e seres humanos, algo que Einstein apontava há 50 anos, e investiga o impacto que o desaparecimento dessas espécies pode causar à humanidade, tanto na economia quanto na própria sobrevivência do homem. 

"Nos últimos quatro anos, a indústria química gastou US $ 11,2 milhões em uma iniciativa de relações públicas para dizer que não é sua culpa, então sabemos de quem é culpa". Jon Cooksey, escritor, diretor, How to Boil a Frog.

Eu assisti o documentário e deixei algumas de minhas opiniões no vídeo que segue abaixo: 



Clique aqui para assistir o documentário online. Tem opções de legendar!

comentários pelo facebook:

0 comentários:

Postar um comentário