12/12/2016

Você valoriza tudo, menos a roupa


Este post não estava programado. Este post é um daqueles que surgem do nada e que geram muito assunto para se refletir e debater sobre, mas a ideia, de fato, veio de uma publicação que vi no meu Facebook há poucos minutos atrás. 

Eu estava fazendo um curto intervalo, pronta para começar a editar vídeos quando abri minha timeline. A primeira publicação era de uma menina que eu não conheço pessoalmente e por acaso, eu nunca vi muitas publicações dela também, mas essa em especial iniciava com uma frase mahomeno assim: "desistindo da Forever 21". Nesse momento minha atenção foi presa, pois pensei "Olha que bacana! Mais uma migue que está desistindo de comprar em fast fashion para investir em marcas menores, produção local, produtos orgânicos e afins". Continuei lendo a publicação e percebi que eu estava enganada, pois a moça não estava falando do que eu estava pensando, ela estava mesmo era chateada (chateada é uma maneira leve de dizer, por que o desabafo foi punk) com nada mais, nada menos, do que os preços da Forever 21. 

A moça reclamou dizendo que já havia visto algumas peças, como por exemplo croppeds, que custavam R$25,90, mas foram remarcados por R$49,90. Reclamou do fato da Forever cobrar preços "altos", coisa que não condiz com o fato de ser uma fast fashion e ainda achou ruim não ter mais brusinha de R$15,90 para vender. 

É aí que eu me pergunto: por que a gente paga tão caro por tudo, ABSOLUTAMENTE TUDO, mas por roupa a gente bate o pé e reclama incessantemente, tratando esse produto como algo descartável e inferior a todos os outros tipos de serviço que a gente consome? 

Justamente no final de semana que passou, eu estava discutindo esse mesmo assunto com uma grande amiga minha, a Larissa. Lari é dona de uma marca de moda, ela faz tudo: desde comprar tecido, costurar e vender o produto final. A Lari estava me contando como é complicado manter todo esse processo e cobrar o preço que o cliente vai estar disposto a pagar. Você precisa desvalorizar o seu trabalho, para poder ter a esperança de vendê-lo para alguém, que muitas vezes não entende que o metro do tecido usado para fazer aquele vestido custou R$18,90 e que foram usados dois metros, então não tem como vender a peça por 40 reais, por que tem muitos outros valores envolvidos nesse ciclo. E não, não dava para comprar um tecido mais barato, por que a ideia é oferecer qualidade e durabilidade. 

Além disso, eu me questiono sobre o motivo da gente não se importar em pagar caro por outros produtos, como um celular, um carro, um livro, um lanche de fast food, enfim, mas não aceitar isso quando se trata de vestuário. Tecido tem tanto valor quanto case de iPhone. Tecido é coisa que tem vida. Tecido vem do petróleo, vem da planta, vem da celulose e vem do animal também. Tecido não cai do céu sem custo nenhum e está mais do que na hora da gente começar a perceber isso. Não está certo a brusinha custar 15 reais, por que esse preço não é justo para o trabalhador que produziu o tecido, o trabalhador que costurou e nem com o trabalhador que embalou ela na sacola para você. 

E sim, eu sei, tem muita coisa que não é justa nesse país e talvez seu salário também não seja. Talvez esteja muito complicado financeiramente comprar roupas que, de fato, tenham um preço que condiz com seu valor material, porém a gente precisa pensar na desvalorização que damos ao que a gente veste. Moda tem valor e tem vida, já que são usados mais de 20 mil litros de água para produção de 1 kg de algodão, e infelizmente estamos todos ridiculamente influenciados a acreditar que por moda a gente precisa pagar baratinho. O fast fahion viciou nossos hábitos de consumo com preços utópicos, preços extremamente baixos, e acreditamos fielmente que essa é a forma correta de consumir qualquer produto desse setor. 

Quero deixar bem claro que isso não é um julgamento e que de forma alguma você deve se sentir mal por poder consumir peças com preços baixos. Eu também não gosto de pagar caro por um produto, pois eu não tenho dinheiro para gastar assim, entretanto ando me questionando muito na hora de adquirir alguma coisa e buscando ir aos lugares certos. A dica é não frequentar fast fashion se você quer parar de consumir esse tipo de moda, frequente brechós, grupos de troca, busque informações sobre lojas sustentáveis e que oferecem produtos de qualidade e preço bom. Não esqueça que cada ação sua tem uma consequência e consumir moda de forma irracional, prejudica você também. Assim como a peça de roupa tem um ciclo, o planeta também, e eventualmente tudo volta para você. 

comentários pelo facebook:

12 comentários:

  1. Nossa Mari, EXATAMENTE
    Eu gravei um vídeo pro canal sobre a diferença entre fast fashion e slow fashion (vai ao ar só em janeiro, mas enfim), e uma das coisas que falo no vídeo, porque foi algo que eu aprendi, é que quando você tem o conhecimento e sabe do impacto você reflete.
    Não tem muito a ver com parar de comprar em fast fashion, porque infelizmente a gente compra muitas vezes mais de acordo com a nossa condição financeira do que com nossos ideais. Mas sim com o pensamento de que existem outras opções. Se você quer uma peça X específica, procure em algum outro lugar antes e não achou nada legal ou dentro do orçamento, beleza, parte pras fast fashions.
    Acho que o simples fato de deter conhecimento sobre os meios de produção possibilita com que as pessoas comprem menos por impulso... Enfim, é um tema de discussão interminável. Muito feliz de ver você falando sobre isso aqui no blog.
    Beijos :*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E eu já estou doida pra ver esse vídeo mulher! Quando liberar cê me manda o link, tá bem?
      E eu fico super feliz em saber que você curte esse tipo de postagem por aqui! ♥ Beeeijão!

      Excluir
  2. Amei o post.
    http://www.blogsecretplace.com/

    ResponderExcluir
  3. Não acho necessário você excluir seu ponto de vista porque alguém não gostou.
    Adorei seu texto.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, não! Isso a gente não faz! A gente só muda uma ou outra frase para quem se pronunciou não ficar mais incomodado. O blog é um portal de opiniões livre e todo mundo tem o direito de discordar e concordar com ele! ♥

      Excluir
  4. Livre de opiniões, mas você apagou os comentários da menina que fez o post sobre a Forever 21 e que são contrárias a sua.
    Tá serto, miga

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, complicado isso aí! :( Apaguei pois ela mesma disse que não queria a identidade dela revelada e inclusive foi por isso que troquei a exata frase que ela citou no post. Mas foi unica e exclusivamente por que ela mesma falou isso, não porque eu tive vontade de apagar.

      Excluir
  5. Oi, Mari! Gostei do seu texto, porque fala sobre um assunto super atual que é o consumo consciente. E acho muito importante que, se você tem condição, buscar opções melhores que as fast fashions, porém a realidade de muitos nós é que não dá :( Não é uma questão de valorizar menos as roupas, nesse caso, porque eu mesma estudo muito antes de comprar qualquer coisa, seja um uma blusa ou um celular. No entanto, é MUITO importante debater esse assunto nesse meio de moda e consumismo, e achei bem legal a sua posição :)
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Exato, eu vi uma postagem parecida também no meu Facebook, haha É o seguinte, eu concordo plenamente com o que você disse e com a sua conversa com sua amiga dona de marca. Eu também tenho uma loja, e faço as coisas iguais a ela, pesquiso, desenho, compro o tecido, modelo, corto, costuro, embalo, falo com as clientes, posto nos correios, enfim, é tanta coisa que não caberia escrever tudo aqui. E sim, gasta muita energia que não é cobrada no preço dos meus produtos. Eu procurei ter um lucro mais baixo, principalmente quando comecei, para que conseguisse ter minhas primeiras vendas e sim, tem gente que fala que está caro e eu fico me perguntando "Se está caro, o que ela quer? Que seja de graça? Só se for..." Sem falar das vezes que as pessoas perguntam se eu faço uma peça que já está barata pela metade do preço, daí eu vou ganhar o que? Nem o preço do material... eu acho que tem que ter mais discussão sobre isso, muito mais... aliás, você acabou de me dar a ideia de escrever sobre isso também em meu blog, para que mais gente reflita sobre esse assunto.

    blogmylittlecandy.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. olá! descobri seu blog através do blog vestidinho jeans, e achei seu texto muito pertinente. falo bastante sobre isso - sobre a roupa, o pano com o qual nos cobrimos, ter valor, ter história, ter passado pelas mãos de muita gente antes de chegar no nosso armário, e todo esse processo precisa ser valorizado. quando a gente valoriza roupa, valorizamos nosso corpo e o que escolhemos botar nele, além de valorizarmos todo mundo envolvido na produção da roupa.

    http://repeteroupa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Nunca tinha parado efetivamente pra pensar sobre isso mas concordo com você, tem todo um processo pra chegar ali. De um tempo pra cá, quando quero comprar algo eu penso bem se vou usar aquilo só por um tempo, porque está na moda ou se é porque eu gosto e vou usar até ficar acabadinha sabe e tem peças que podem ser caras mas valem o preço porque duram.
    Agenda Aleatória

    ResponderExcluir