23/12/2016

Somos Todas Robin Scherbatsky

Se você está aqui é por que provavelmente conhece o nome Robin Scherbatsky. Você já deve ter assistido ao menos alguns episódios de How I Met Your Mother e você conhece - ao menos um pouco -, essa personagem. 



Eu resolvi escrever sobre Robin, por que tenho me identificado muito mais com ela nos últimos tempos. Tá, tudo bem, confesso para vocês que ela sempre foi minha personagem favorita, mas o fato de gostar dela não necessariamente indicava que eu me via como ela, coisa que acabou mudando ao longo do tempo. 



Hoje, com quase 22, eu me olho no espelho e percebo que mudei muito nos últimos meses. Eu já não consigo olhar para um relacionamento como fonte da minha alegria e eu já não consigo abrir mão do meu trabalho ou dos meus sonhos para gastar tempo com alguém. Eu sou a Robin deixando tudo para trás e indo para o Japão trabalhar em um programa de TV. Eu sou essa pessoa que quer alcançar seus objetivos e não se perder no meio do caminho, por que eu tenho uma superstição que é uma droga! Eu acabei percebendo que eu nunca tive as duas coisas ao mesmo tempo: amor e sucesso. Ou eu tinha um bom relacionamento com uma pessoa, ou eu conseguia me concentrar no meu trabalho e fazer as coisas darem certo. E eu me agarrei a tal superstição boba - sim, eu sei que é boba - e já não consigo mais deixar de acreditar em tal até que o contrário aconteça comigo.


E ao longo dessa minha mudança, eu tenho optado muito por trabalho e me fechado para outras pessoas quando se trata de sentimentos. Posso sim ter mini crises de paixonite aguda, porém aqui dentro, bem no fundo, está muito mais difícil de dar o braço a torcer. E outra, eu já não vejo relacionamentos como eu via antes. Eu não engulo mais esse papinho de construir juntos algo, por que meu amor, nós vivemos no mundo real e se eu for me apaixonar por alguém, eu quero que essa pessoa tenha tantas aspirações quanto eu. Eu quero construir meu próprio império e compartilhar isso com todo mundo que eu amo, mas "todo mundo que eu amo" não precisa incluir um namorado. Pode incluir uma roda de amigos incríveis, os quais eu quero que estejam absolutamente felizes com as escolhas que fizeram, mesmo sendo elas diferentes das minhas, mesmo sendo Lily e Marshall, mesmo sendo Barney, mesmo existindo um Ted. Mas eu quero que essa pessoa, com quem eu tecnicamente vá dividir minha vida, construa o seu próprio império também.



Talvez isso tudo seja uma vontade doida de conseguir fazer a maior quantidade de coisas insanas na minha vida, ou talvez seja só uma fase, assim como Robin teve a fase "Argentina", mas eu já percebi que eu não quero desistir de quem eu sou por outra pessoa e eu acho essa uma ótima reflexão: até que ponto você é capaz de abrir mão de algo por outra pessoa? Se você souber a resposta disso, acredito que você está mais preparado para entrar num relacionamento.



Eu me vejo na Robin atrás do something old, tentando se agarrar a algumas lembranças do passado, me vejo na Robin embaixo da mesa agarrada na garrafa de vinho e também sou ela dormindo no chão da cozinha comendo costelas. Me vejo no meio desse turbilhão de novas informações da internet do mesmo modo como ela se viu quando chegou em New York.



E pra ser mais sincera com vocês, até dentro dos relacionamentos eu já fui "Robin". Eu já me apaixonei muito, mas também já definhei e acabei sem saber quem eu era e o que tinha acontecido. Já sai com Barneys, com Dons, com Gaels e quanto ao Ted, bom, essa é uma resposta que eu não sei dar, mas com certeza não estarei esperando ele chegar. Não estarei procurando-o, pois amor a gente não procura em algum lugar, ele simplesmente acontece.

comentários pelo facebook:

6 comentários:

  1. Parece ser ilaria.

    http://www.blogsecretplace.com/

    ResponderExcluir
  2. Acho que em algum ponto todas nós somos um pouco Robin. Ou queremos ser um pouco Robin.
    A Robin é a garota que faz a gente acreditar que podemos ser maravilhosas sem tar em um relacionamento, e melhor, que a gente não precisa disso. E que tudo bem a gente se sentir sozinha as vezes.
    Eu já tive também diversas fases "Robin", dentro e fora de relacionamentos. Agora tou na melhor delas, bem comigo mesma e focando na minha carreira, igual tu Mari. Sorte pra nós.

    Beijão.
    www.casacafeina.com.br

    ResponderExcluir
  3. A gente tem essa sensação de que é difícil conciliar essas duas coisas porque as duas demandam dedicação REAL! Se você não trabalhar bem, não colhe frutos do seu trabalho, em um relacionamento é a mesma coisa. Eu adoro a Robin, mas não consigo ser ela e trazer a personagem dela serve pra nos mostrar até que ponto isso é legal, sabe? Não no sentido de que precisamos ter alguém em nossas vidas ou que elas podem atrapalhar nosso trabalho, mas sim em até que ponto a gente se sente feliz fazendo isso.

    Você tem 22 anos (e eu só tenho 26!), temos aí muito chão pra andar e muito tempo pra saber administrar, e é esse o segredo pra qualquer coisa. Quando a gente é jovem, a gente quer tudo intensamente e podemos mesmo ter! Mas dá pra se ter de tudo um pouco, é só aprender a ser mais flexível, e isso é uma coisa que eu aprendi a ser e vi o quão vantajoso isso pode ser pra mim e me deixou mais feliz :)

    E a felicidade é primordial pra qualquer rumo da vida, vamos ter momentos que o trabalho vai nos proporcionar mais felicidade, assim como vai ter outros que vamos preferir focar nos relacionamentos, e nem precisa ser afetivo, sabe? Vamos querer ter mais amigos por perto, mais família, somos humanos e precisamos nos relacionar, até mesmo pro trabalho! Então foca principalmente no que te faz feliz e o que o que vier, é consequência da vida que você está levando, e se levar num caminho que te satisfaça, aí o que vier é lucro <3 E pode focar no teu blog que é muito maravilhoso, parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Passando para desejar um maravilhoso 2017 cheio da presença de Deus, paz, amor, alegria e tudo de melhor!
    Bj e fk c Deus
    Nana
    http://procurandoamigosvirtuais.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA <3

    ResponderExcluir
  6. Eu me sinto completamente como a Robin. Sou apaixonada e romântica, mas do meu jeito e gosto muito de estar com amigos e família, mas de outra forma preciso do meu espaço e minha vida profissional sempre foi muito importante pra mim. Outra coisa que me identifico com a Robin é o gosto por coisas masculinas além da forma como ela é na questão sobre se casar e ter filhos. A única diferença é que não tenho medo de relacionamento como ela tem. Minha vida profissional e sonhos veem em primeiro lugar, mas não me fecho pra viver um relacionamento quando me apaixono.

    ResponderExcluir