17/10/2016

Não é a academia que te faz linda, mulher!


Tem poucas coisas na vida que me machucam tanto como receber o e-mail de alguém dizendo que não se sente bonita. Que detesta o reflexo do espelho e o evita. Dói de uma maneira de que ninguém consegue imaginar. 
É por isso que tanto me revolto em ver meninas construindo uma falsa imagem glamourizada na internet, pois nós - involuntariamente - acabamos transformando isso em um ideal perfeito de lifestyle. 



Desde quando entrei na escola sofria algum tipo de bullying relacionado ao meu peso. Enquanto as outras crianças estavam dentro de uma mesma faixa, eu estava um pouco acima desta, por isso fui constantemente chamada de gorda, o que não é uma palavra feia, assim como a mulher gorda também não é. O problema, é que com meus 8 anos, eu não entendia isso. Conforme fui crescendo, as palavras pelas quais me descreviam foram mudando: roliça, bolinha, maritadela (uma referência para mortadela) e outras coisas de mal gosto. Isso fez com que eu sempre usasse o cabelo preso em um rabo de cavalo baixo e usasse roupas parecidas todos os dias. A última coisa que eu queria era alguém olhando para mim, reparando no meu rosto, no que eu estava vestindo. 

Em outro momento da minha pré-adolescência eu troquei de escola e de cidade, lembro de ter pensando que poderia começar tudo de uma forma nova, mas também não me encaixei muito bem, pois meus colegas acabaram me excluindo por eu ser "muito inteligente", quando na realidade, eu estudava muito, por que tinha muito tempo livre para tal, já que não saia para brincar na casa da amiguinha - o que eu não tinha de fato na época. 



Quando entrei no ensino médio eu era completamente insegura sobre meu corpo, minha personalidade e sobre o tipo de pessoa que eu era. De alguma forma, eu acabei caindo na mesma sala de aula onde estudavam as meninas mais populares da escola, e de alguma maneira me tornei amiga delas, mas mesmo assim eu continuava me sentindo inferior, já que sabia que as outras pessoas não gostavam de mim por quem eu era, e sim pelo fato de eu ser amiga de quem eu era. Isso me fez passar por uma fase muito complicada em relação a minha autoestima e desencadear alguns outros problemas psicológicos. Muita gente não sabe, mesmo dentro da minha família, mas nessa época eu era bulímica e ainda passei por episódios de auto-mutilação. Eu sempre sofri calada e escondida embaixo de um casaco de mangas compridas, mesmo no verão, e sempre fui boa atriz para mostrar que estava tudo bem. Afinal de contas, por que não estaria? Eu era inteligente, tirava boas notas, meus pais nunca deixaram faltar nada dentro da minha casa e eu tinha oportunidades incríveis comparadas com a realidade dos meus colegas. O psicológico não reflete sua condição financeira ou social, não esqueçam disso. 



Eu perdi mais de 10kg de uma maneira nada saudável e muito rápida, mas acabei recebendo muitos elogios na época: "nossa, como você está magra", "está linda, Mari", "conta o segredo para ficar tão magrinha assim" e por aí vai. O problema é que independente do meu peso, eu não me aceitava e não me achava bonita de maneira alguma. Continuei me machucando até 2011, quando estava no segundo ano do ensino médio. Nessa época,  Demi Lovato tinha deixado a rehab e pouco tempo depois lançou Skyscraper. Só eu sei o quanto essa música e essa mulher me inspiraram a ser mais forte. Muitas pessoas nunca entenderam o motivo de eu gostar tanto, mas veja bem, agora elas podem finalmente saber. A Demi tem uma história muito parecida com a minha e eu me identifico muito com vários episódios da sua vida que ela compartilhou abertamente com público e por isso fui fã dela por muitos anos.

Mesmo em 2012 eu não estava completamente bem. Foi um ano relativamente complicado onde perdi amizades importantes e só me lembro de passar boa parte do meu tempo desligada do mundo com meus fones de ouvido ou reblogando milhares de fotos preto e branco durante a madrugada no Tumblr. Não sei o que mudou exatamente depois desse ano, talvez tenha sido o fato de eu ter me formado na escola ou de já estar saturada de me sentir inferior, mas eu, de uma certa forma, juntei meus pedaços do chão e fiz um mural de mim na parede, o qual eu busco admirar todos os dias deste então. 



Em 2013 eu havia prometido para mim que eu faria a diferença na vida de alguém, seja com um simples elogio ou de fato alguma ação minha que deixasse alguém feliz, e de alguma forma, a mim foi dado voz na internet e eu aceitei isso sabendo que seria através dela eu mudaria a vida de algumas pessoas. Já chorei muito na frente desse computador com e-mails dizendo "Mari, foi por tua causa que comprei um cropped, usei ele ontem e me senti linda. Fazia tempo que não me sentia assim.". Nenhum Adsense paga isso. Nenhuma parceria fechada paga isso. Nenhum cheque cheio de zeros paga isso. 

Quando chegamos nessa parte do ano em que o verão está se aproximando, tudo o que ouço e vejo é "vamos correr para a academia para recuperar o prejuízo", "vamos emagrecer para ficar lindas de biquíni" e mais um monte de frases e check-ins em academias lotadas de pessoas alienadas e influenciadas a acreditarem que para um verão feliz e perfeito você precisa usar 38 e ter barriga tanquinho. A primeira coisa que eu penso é como a Marieli de anos atrás se sentiria vendo isso, e olha, eu sei que ela se sentiria um lixo. E é somente por que eu sei como eu me sentia na época, que venho aqui hoje falar tudo isso para vocês. 



Olha bem, mulher, eu vou ser sincera, você é linda sem academia e tu não deves entrar nela apenas para "recuperar o prejuízo", por que ele não existe. Me diga, qual é o prejuízo que mora no teu corpo? Tu acha que são uns 5 kg? Ou a falta de amor próprio e de autoestima para saber que tu não precisa perder peso por causa de ninguém além de ti? 

Você não merece e não deve se sentir envergonhada do teu corpo a ponto de usar um shorts por cima do biquíni ou evitar o banho de mar para fugir dos olhares das outras pessoas. Constrói dentro de ti o teu próprio mural, seja também tua inspiração, pois quando não lhe restar nada mais, ainda terá a ti mesma. 

E me prometa que antes de você se olhar no espelho e se sentir feia, você vai se certificar de que não está cercada por idiotas que te dizem tal coisa, idiotas que te impõem um padrão estético falso e vazio, o qual só existe na mente das pessoas. E te digo mais, o prejuízo da tua vida são essas pessoas e não o teu corpo.


Enfim, eu quero ressaltar para você que eu estou aqui. A caixa de contato do blog está aberta, meu inbox no Facebook está disponível e eu realmente estou aqui para conversar sobre qualquer coisa. Só não deixa essa estação e esses milhares de check-ins em academias e dietas milagrosas fazerem com que tu se sinta inferior, por que aos olhos de quem é manipulado, a beleza é uma ditadura. 


Pico da Cruz - Rio Tavares/SC 

O que eu falei sobre mim aqui hoje, foi uma coisa que escondi durante muito tempo, mas eu não tenho vergonha disso e acho que se compartilhar com vocês, pode ajudar de alguma maneira, então estou feliz em fazer tal. Beijos e até mais!

comentários pelo facebook:

15 comentários:

  1. Tô sem palavras, mas precisava comentar alguma coisa... Te descobri tão sem querer que já nem me lembro mais como, mas acho incrível a sinceridade dos teus posts que não deixei mais de te acompanhar! Parabéns pela coragem de se expor, porque sei que vai ajudar muita gente! E tu é linda, todas nós somos, com nossas perfeições e imperfeições...

    ResponderExcluir
  2. Parabéns! Amei suas palavras, você é linda por dentro e por fora, e o mais importante é se amar primeiramente. Seu texto irá ajudar muitas pessoas que passam por essa situação.
    Grande beijo

    www.poemanaocaidemoda.com

    ResponderExcluir
  3. Me identifiquei muito com o texto, Mari. Sempre fui bem gordinha, e as crianças e adolescentes na escola são maldosos. Fazem piadinhas e bullying sem pensar que vão machucar, que a gente vai chegar em casa e chorar escondido... E a família que mal dava oi e já vinha falar como vc tava acima do peso? Manter a auto estima, aprender a se amar, é tudo tão difícil né? Perdi 20kg com muito esforço, e até hoje tô sempre em luta com a balança. É uma luta constante aprender a se amar, se aceitar, se achar bonita né? Textos como este seu são muito importantes pra que a gente consiga se identificar e se sentir acolhida. Obrigada por compartilhar esses sentimentos <3 Amo seu blog e admiro muito você desde os primeiros posts. Beijos <3

    Thally
    Bits 'N' Bobs

    ResponderExcluir
  4. Estou sem palavras para esse post mega lindo e cheio de sentimento.
    Obrigada por abrir o coração com seus leitores. Apesar de sempre ter sido magrinha, me dói muito ouvir meninas dizendo: "Queria ser magra como você". Sempre respondo: "E o que tem de errado com seu corpo? Você é perfeita do jeitinho que é" e elas me olham torto achando que estou zombando delas ou algo do tipo. A real é que essa ditadura da beleza e do corpo perfeito me incomoda demais!! Mesmo sendo magra tenho muitos problemas com meu corpo que estou superando aos poucos... Tudo que sei é que vou compartilhar esse post com todas as pessoas ao meu redor! Sua linda!

    Um beijo enorme ❤
    Quase Aurora

    ResponderExcluir
  5. Caraca, que post lindo, que história linda, quanto coisa pra aprender com você. Eu tive uma fase parecida na infância e adolescência, muitas vezes a escola pode ser cruel com a gente né, e não é pela matemática não, as pessoas são más e boas em fazer a gente se sentir péssima. Mas ainda bem que existem inspirações como você, amei mesmo seu post, garota, bjo, Marieli.
    www.blogdagabiprado.com.br

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Não sei se estou mais apaixonada pelo seu texto e essa superação linda ou por essas fotos incríveis. Você é demais Mari! <3

    http://vejoflores.com/

    ResponderExcluir
  8. Que post mais lindo. Você é uma grande inspiração!! Vou me lembrar deste post quando me sentir mal comigo. Obrigada por compartilhar isso com a gente!!

    Boas de Papo

    ResponderExcluir
  9. Fazendo check in no chão com esse post! DISSE TUDO. <3
    Tô pra falar sobre esse assunto no bloguinho mas ainda não veio aquele "boom", sabe? Porém é muito importante mostrar para as pessoas que o problema realmente não está no corpo delas, mas no padrão escroto que a sociedade impõe diariamente. E a real beleza, aquela que também nos torna bonitos por fora, sempre tem que vir de dentro.

    Beijo sua linda, amei as fotos! =*

    www.luaeomundo.com

    ResponderExcluir
  10. Lindo seu post Mari! Me identifiquei bastante com a sua história. Às vezes eu ainda me sinto mal com o meu peso (principalmente no verão), é difícil, mas tento sempre lembrar que eu sou bonita do jeito que eu sou e não devo querer mudar só porque acham que eu não estou dentro dos padrões. Parabéns pela iniciativa de escrever esse texto. Você é uma inspiração ♥

    Beijos!

    www.agarotaquecolecionasonhos.com.br

    ResponderExcluir
  11. Mari esse post ta inspirador demais e minha história é bem parecida com a sua!
    Quando eu tinha 17 anos engordei muito, mas por conta de um termino de relacionamento, dai comecei a fazer terapia para ficar em paz com o meu interior, mas eu me sentia muito feia, na sala de aula eu era a única gorda. Dai me matriculei na academia e fui para uma nutri, meus exames estavam todos bagunçados e eu precisava chegar até o 52kg para estar dentro do peso e meu colesterol abaixar. Fiz a dieta e malhei todos os dias, mas ai que realmente começou o problema, eu viciei nisso e fui parar abaixo do peso. Minha nutri chegou e falou "você precisa parar agora, porque já atingiu o peso ideal, você pode ficar doente.". Eu já estava doente, eu olhava no espelho e via a menina de 65kg e não uma menina de menos de 46kg. Foi quando tive que fazer mais terapia. Foi quando eu engordei novamente e me vi com 57 kg e as gordurinhas na barriga. Hoje ainda faço academia, mas para cuidar de mim mesma, para não ter mais problemas com diabetes ou colesterol, não ligo para as gordurinhas na minha barriga mesmo quando alguém me chama de gorda. Eu me amo e eu me basto, simples ♥
    Obrigada por esse texto Mari.

    www.maeeucresci.com

    ResponderExcluir
  12. eu nunca fiquei tão emocionada com uma postagem como fiquei com essa. sei como é difícil falar pra todo mundo dos nossos fantasmas, eu também me senti assim muito tempo na minha vida, não por causa de peso, mas sou estrábica e durante muito tempo eu me senti feia, me apelidavam de ta
    muita coisa, e a sensação de não conseguir olhar uma pessoa nos olhos é a pior do mundo, não conseguir tirar uma selfie por vergonha. as crianças apontando perguntando por que o olho dela é torto mamãe? é a pior sensação do mundo. Mas eu aprendi que isso faz parte de mim, ainda me incomoda as vezes, mas hoje esta tudo muito melhor.
    obrigada por esse texto! <3

    Blog Entre Ver e Viver

    ResponderExcluir
  13. Parabéns Marí, por estar sendo luz na vida de muitas garotas que passam pelo mesmo que você já passou, isso é muito importante..
    Beijos sua linda..
    http://freemodernage.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Nem tenho nada pra falar, só que tu é maravilhosa ♡
    É difícil ver blogger por ai ditando cada vez mais padrões, sendo que muitas pessoas sofrem tanto com eles (eu sofria muito) :/
    Adorei as palavras:*

    Beijos

    ResponderExcluir