26/08/2016

O Vestido Cinza da Conceito Ada


Acredito que todos nós, eventualmente, vamos chegar em um ponto de nossas vidas em que vamos buscar atitudes que nos tornem pessoas melhores. Mas faremos isso, não para sermos parabenizados, sem espera de medalha ou salva de palmas, apenas para ficarmos com nossa própria consciência mais tranquila. Tudo isso é gradativo, é uma questão de amadurecimento e de como nos vemos e interpretamos nosso lugar no mundo. Quando alcançamos tal fase, uma das coisas que começados a reconhecer, é que todas as nossas ações estão interconectadas em um sistema maior, ecológico e social. Entendemos que nossas escolhas afetam o meio ambiente e as pessoas, e tudo gira em torno do mesmo eixo, cada qual em sua direção, podendo sempre voltar e ir. 




Quando percebemos isso, começamos a olhar para as pessoas de formas diferentes. Começamos a encarar a vida de uma nova perspectiva, não é apenas uma competição de grandes corporações, grandes industrias e muito marketing. Não pode ser apenas sobre isso. Nós todos somos e valemos muito mais do que tudo isso e nesse caso, o todos que me refiro, é tudo que é vivo nesse planeta. E sabe o é que mais complicado de informar para vocês? O que realmente dói fundo em mim? É dizer que os recursos naturais que teríamos disponíveis na terra para o ano de 2016 já se esgotaram. 

"Imagine se o seu salário do ano todo acabasse hoje, porque você gastou mais do que podia. Desesperador ficar com a conta no vermelho até dezembro, não? A saída será pegar um empréstimo contando com o salário do ano que vem. Nem preciso falar que vai ser muito difícil correr atrás do prejuízo em 2017. Especialmente, porque o cenário se repete todos os anos e as dívidas só aumentam. Essa é apenas uma analogia para mostrar quão aterrador é o Dia da Sobrecarga da Terra – que, em 2016, foi dia 8 de agosto. O que acontece é que a humanidade – eu, você, nossos vizinhos e todas as outras pessoas do mundo – consumiu todos os recursos naturais do planeta disponíveis para o ano. E, pior, sem considerar as necessidades das outras espécies nesse meio tempo. Ou seja, a Terra tem uma certa quantidade de recursos naturais que podem ser utilizados em um ano e são renováveis, mas nós utilizamos mais recursos e serviços ecológicos do que a natureza pode regenerar. O planeta está sobrecarregado. Portanto, o Dia da Sobrecarga da Terra nos alerta que esgotamos a “cota” de recursos disponíveis para o ano e tudo o que for consumido a partir de agora não será reposto pela natureza." - Marina Maciel para Conexão Planeta




E o que a gente faz com uma informação dessas? Ignora? Acha que é descaso, sensacionalismo? Pois é, gente. Não é não. É a mais pura realidade que vem ocorrendo nos últimos anos. E precisamos fazer nossa parte, mesmo que pequena, para que, como disse uma vez Gandhi, "ser a diferença que queremos ver no mundo"
Eu sei como é, você achar que não vai fazer diferença se só você jogar o papel de bala no lixo, se só você separar o lixo para coleta seletiva, se só você não pegar mais sacolinhas de plástico no super mercado. Mas você já pensou que muita gente se sente da mesma maneira? Achando que o "só você" não faz diferença. Temos que lembrar antes de toda tempestade, cai sempre uma primeira gota de chuva. 





Um ato seu, pode inspirar outras outras pessoas, e as ações de outras pessoas podem inspirar mais pessoas e quando percebemos, somos um movimento grande, com força e que persiste em seus ideais. Vamos começando aos poucos, com pequenos atos, até nos adaptarmos e vamos procurar sermos seres humanos, seres vivos, melhores. Vamos começar lendo essa listinha com 50 formas de ajudar o planeta do site Uma Vida Verde!

Como um dos principais nichos do blog é moda, eu não poderia deixar de falar para vocês sobre algo relacionado à isso. Recentemente conheci a Conceito Ada, que nasceu em março de 2016, em Porto Alegre, e tem como base alguns conceitos: empoderamento feminino, slow fashion, e veganismo. Ou seja, os produtos produzidos pela Ada são feitos com matérias primas de fibras naturais feitas 100% no Brasil e que respeitem os direitos dos animais. Além disso, todo o resíduo produzido pelas peças, é destinado à ONG Patas Dadas, que os transforma em capas e camas para cachorros e gatos, dando um novo significado para o que seria considerado lixo na indústria tradicional. É moda vegana. Mas afinal, o que é a moda vegana? São as roupas, sapatos, bolsas e outros acessórios criados sem a utilização de nenhum produto animal ou derivados, garantindo também que nenhum ser vivo foi machucado ou explorado durante sua fabricação (incluso o ser humano). Items feitos de couro, lã, peles e seda são os principais tecidos a evitar quando tentar fazer compras livres de crueldade. O vegano abrange muito mais coisa do que só respeito ao animal. Ele é ao extremo. É o respeito a todas as formas de vida. Se o produto também tem trabalho escravo, por exemplo, você compra e está contribuindo. Então é preciso se informar com as marcas, se informar do que você está comprando, saber a história por trás deste produto. 



Outra coisa interessante para falar para vocês é que os vestidos são feitos à mão pelas meninas da Ada e carregam o nome de uma mulher que foi importante na luta feminista. Por exemplo, o meu vestido é da Alice Pestana, que foi humanista, jornalista, pedagoga, feminista e fundadora da "Liga Portuguesa da Paz" em 1899, organização essa que é considerada a primeira em prol da causa feminista em Portugal. Cada peça vendida acompanha um tag que conta essa história. 

As peças são minimalistas para permitir que a mulher que as vestir se liberte das tendências e consiga compor um look que esteja perfeitamente dentro da sua personalidade e estilo. A Ada não forma coleções, e sim novos modelos que são lançados periodicamente e cada um tem uma tiragem entre 5 e 50 unidades. A falta de um calendário de lançamento de coleção e uma barreira que foi quebrada a favor do Slow Fashion. Não precisamos de roupas novas no verão, pre-fall, cruise, inverno, primavera, outono e tantas outras datas estabelecidas pelas grandes marcas e fast fashions. Precisamos de roupas para vestir o ano todo


Se habituem a ler as etiquetas, perguntar aos vendedores, olhem os sites das lojas na internet e pesquisem a origem de suas roupas. Pesquisem de onde vem o tecido, se é nacional ou importado. Se é importado, veio de onde? Tem certeza que não foi produzido na China, por exemplo, e que pagaram uma miséria para os trabalhadores envolvidos em todo o processo? Desde plantar o algodão até a hora de bater o tecido? Aliás, por que não foi produzido no Brasil, dando assim oportunidade de emprego para o nosso povo?  

Outro link rápido para fazer: o cultivo do algodão é um processo muito tóxico, tá aí mais um motivo para você reduzir a quantidade de peças que compra "para descartar na próxima semana". A indústria não vê muita vantagem em trabalhar com o algodão orgânico, o qual não tem o uso de substâncias que coloquem em risco a saúde dos seres vivos e o meio ambiente durante o plantio, pois ele demora mais a ser colhido e acaba tendo mais chances de ocorrer algum tipo de praga que possa trazer perdas e queda na produção, pois nós demandamos muito algodão! Aposto que 80% das roupas do seu armário, são feitas inteiramente de algodão, ou levam ele na composição. 


No look eu visto:

Vestido Cinza Alice por Conceito Ada | Jaqueta Jeans: Brechó | Tênis: Adidas


Enfim gente, o post de hoje foi para alertá-los sobre como podemos tomar atitudes simples e que podem mudar a realidade em que vivemos atualmente.  É tudo uma questão de escolha e de vontade, então vamos pensar sobre o assunto e buscar pequenas mudanças, que podem se tornar algo grande. Beijos e até mais!  

comentários pelo facebook:

3 comentários:

  1. É realmente desesperador saber que esgotamos a cota. Taí uma coisa que relevo todo dia, menos que por coisas pequenas, como o lixo que as pessoas jogam no chão. Fico pensando o que passa na cabeça dessas pessoas?! Pra onde será que elas imaginam que o papel de bala que jogaram no chão vai parar?! E isso é só um exemplo de coisas inconsequentes que as pessoas fazem. Me irrita extremamente isso. É uma questão quase que 'cultural' que precisa ser mudada imediatamente. Amei o texto Mari! Muito inspirador, e adorei saber dessa marca, que preza pela vida! ♥

    www.mazeamazing.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi Mari!
    Acho ótimo você trazer esse assunto aqui para o blog. Enquanto ainda tem muita gente (influenciadores, principalmente) disseminando de alguma forma o consumismo, é bom saber que tem gente que está vendo o outro lado da moeda, vendo que tem muita coisa errada por trás da indústria da moda e com vontade de fazer isso mudar. É muito importante que as pessoas abram os olhos pra isso e percebam que elas também são responsáveis pelos danos ao meio ambiente.
    Eu conheci a Ada em uma palestra na Feevale esse ano e achei simplesmente incrível a proposta da marca e acho que elas estão num caminho super certo. Pra mim, roupa não é algo descartável, então me identifiquei muito com o conceito delas. E além de tudo isso as peças são muito lindas!
    Enfim, adorei a reflexão e te vejo na aula inaugural da Moda!
    Beijos!
    blog Não Tão Pop

    ResponderExcluir
  3. Ma, achei uma lindeza cada palavra da postagem! Surtei por ser uma indicação de loja vegana (sou apaixonada - e como não ser?). É algo tão fundamental de ser abordado! E a inspiração completa ficou incrível, aglomerando sofisticação e leveza. Uma sensação linda de conforto! Não conhecia a marca, mas estou já encantada. Adorei!

    www.semquases.com

    ResponderExcluir