25/09/2013

Desfigurar-se


Por mais que eu esteja numa fase bacana e sem nós no peito (o que por um lado é ruim pois a paz sempre me dá alguns quilinhos a mais e alguns textos a menos), resolvi embarcar num momento nostalgia e andei lendo minha história novamente. Andei repassando minha lista de objetivos e riscando algumas coisas da minha lista de incertezas. Andei relembrando de pessoas que hoje já não se encontram mais aqui, e derramei uma xícara de chá frio nas fotos de 2 anos atras para ver se apagava as memórias também. Andei me arrependendo de ter gasto folhas com pessoas que não as mereciam e agradeci a mim mesma por ainda ter todas essas folhas para poder queimar. Quando drama, mas sabe que até teve uma certa época que me perguntaram por que eu não escrevia romances. Para quê? Me diga amigo, para quê escrever pilhas de romances e não vivê-los? 
Na estante, todos os meus LPs do James Taylor enfileirados em ordem crescente conforme suas datas de laçamento. Previsível. Ainda ouço cada um deles de acordo com meu grau de paixão. Porque eu sou assim, tem dias que estou firme, de pé e nada romântica, odiando inclusive o tapete da cozinha que sempre sai do lugar. Já outros dias o amor me consome, me envolve, um único mar e nada mais além. Imprevisível. 
Hoje pensei também, por que eu nunca aceitei os sentimentos como eles são, e por que nunca respeitei a banalidade das coisas. Tá ai a resposta de porque eu não posso escrever um romance: por que eu iria transformar ele numa carta para minha sanidade. Eu não sei escrever histórias, eu sei escrever sobre mim. Ainda assim, quando eu escrevo algo sobre o que eu sou, termino o texto parecendo um quadro do Picasso, desfigurada, complicada, intensa e verdadeira. Mas sou eu, só eu.

comentários pelo facebook:

5 comentários:

  1. Exatamente como me sinto... Mudo o tempo todo e depois me vejo no mesmo lugar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos ver isso de uma maneira poética né, obras de Picasso!

      Excluir
  2. Oii Marieli!
    A Taís me mostrou teu blog e já adorei!

    Muito bacana teu texto, "Me diga amigo, para quê escrever pilhas de romances e não vivê-los? " Quanta gente escreve o que não vive né.

    Enfim, adorei.
    Beijoo
    Meninices da vida

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah! Eu virei fã do seu faz algumas semanas! A Taís me mostrou ele também, e aliás, muito obrigada pelo carinho.
      É muito bom saber disso.

      Abraço

      Excluir
  3. incrivel, tu escreve muito bem !!! Parabéns :)

    ResponderExcluir