07/01/2018

Tudo o Que Você Precisa é de Menos


Desde cedo, aprendi que a gente precisava trabalhar muito duro para ter. Apesar de poucas letras, ter foi a palavra que dominou minha vida durante muito tempo, pois nos meus 16 anos já comecei a trabalhar apenas para gastar meu dinheiro em compras vazias, já que eu aprendi que era assim que funcionava. Você trabalha, ganha e gasta tudo em coisas que não fazem tanto sentido, como roupas demais, eletrodomésticos que você vai usar por apenas uma vez e uma porção de objetos que em breve estarão escondidos dentro de gavetas. A vida aparentemente era sobre isso e meu propósito era ter sempre mais.




Quando eu tinha 16 anos, eu admirava pessoas com itens de luxo e queria ser uma delas. Com 18 anos eu tinha um armário lotado, uma série de sapatos, acessórios e dinheiro sobrando, tudo conquistado por mim em infinitas horas de trabalho. Eu tinha tudo o não significava nada, e o que realmente me era necessário, faltava.

Com 16 anos eu admirava pessoas com dinheiro. Hoje, eu admiro pessoas com paz interior. 



Com o tempo você percebe que o preço das coisas não é mais em real, em dólar ou euro. O preço das coisas é o tanto de vida que elas te tomam. O tanto da sua alegria, da sua paz.

O preço de querer ter tudo desde tão nova, foi ficar extremamente deprimida e me sentir extremamente sozinha. Afinal de contas, eu não dava valor pras relações que eu poderia construir com as pessoas, eu valorizava o que eu poderia ganhar com aquela situação. Ainda bem que hoje, eu não sou a mesma pessoa que fui ontem e que a gente muda constantemente, aprendendo com cada pequena situação pela qual passa. Tentando mudar minha realidade baseada na palavra ter, eu descobri um movimento que me inspirou muito: o minimalismo.



Com ele, aprendi que não é sobre o que você tem, mas o porquê você tem.

Comecei a questionar isso para tudo na minha vida: Por que você existe? Porque eu te comprei?
E percebi que não havia propósito em nada, então... eu desapeguei dessas coisas. Esvaziei o armário, as gavetas, revisei minhas amizades, limpei toda essa bagunça, todo esse excesso e deixa eu te contar, é extremamente libertador você perceber o pouco que você precisa para ser feliz. Talvez a vida que você sempre quis, estava enterrada embaixo de todas as coisas que você possui.





Posso te dar uns concelhos? Acorde cedo, beba café, seja ambicioso, mas lembre-se que a vida não é só boletos. Revise seus objetivos, OLHE AO SEU REDOR, sinta as coisas e prefira as experiências aos excessos! Defina suas prioridades, abuse da economia compartilhada. Produza menos lixo, tenha sua própria horta e OUÇA as pessoas. Ande de balanço, de bicicleta, ande de bom humor e ANDE com suas próprias pernas para todos os lados! Pare de glorificar o status de ocupado, por que estar ocupado não é estar feliz.
Coma bem, viva bem e trate bem as pessoas. Procure por respeito e não atenção. Sabe como você fica rico, financeiramente no final de tudo isso? Você reduz a quantidade de coisas que você quer, sobra mais dinheiro. Só que eu já vou te avisar, dinheiro não tem o mesmo valor e nem as mesmas utilidades de antes. Você vai mudar sua relação com dinheiro depois disso. 



Desapega, e esse sentimento que você tem sobre desapegar, desapega dele também.

Se apega ao que realmente importa. Menos ter, e mais ser.



| Vestido: brechó | Sandália: Insecta Shoes | 


See you soon!

29/11/2017

A Importância do Upcycling para o Futuro da Moda


Às vezes, explicar a alguém o processo geral de produção de uma peça de algodão pode ser uma tarefa um tanto quanto complicada. Você precisa citar uma quantidade absurda de processos complexos: cultivar o algodão, colher, selecionar as fibras, tratar, tingir, tecer, transformar em roupa, costurar, importar, etc... O que fica fácil, é descrever o preço: R$15,00 na fast fashion mais próxima de você. Bem, nem sempre entende-se rapidamente que tem que haver alguém trabalhando em condições precárias para que a roupa seja vendida a esse preço. Nem sempre entende-se que a indústria que produziu essa peça não está, de fato, arcando com o impacto que ela causa no meio ambiente. Ela não está gastando dinheiro para recuperar a água que poluí, o solo que contamina e muito menos algum tipo de plano de saúde ou alimentação para seus trabalhadores. 

Pensar que a indústria fashion é uma das mais poluentes do mundo, faz de nós, consumidores e designers, grandes responsáveis por esse lugar "exclusivo" no ranking. Entretanto, também nós torna aptos de inciar uma mudança. Eu acredito fielmente que os designers são a chave. Os produtos precisam ser projetados de forma a que possam realmente ser reciclados, reaproveitados e reutilizados. Infelizmente, todo lixo é um erro de design. 

É incrível acompanhar marcas surgindo no mercado com essa nova raça de designer de moda que considera imprescindível colocar a ética no coração de tudo o que ele faz. Não é mais a sustentabilidade e a responsabilidade social um tópico extra ou estratégia de marketing cínico. As marcas mais inteligentes são as que assumem a total responsabilidade por cada etapa do processo, desde o fornecedor até o fabricante - e, em alguns casos, o acompanhamento do produto também. Estes são designers interessados ​​em qualidade, nunca quantidade - uma geração fazendo roupas que apreciaremos, que nos fará consumir menos e fazer a melhor escolha possível quando fizermos. Talvez, principalmente, uma geração que saberá reaproveitar, reutilizar e reciclar. 

Coleção colaborativa deHan Tang e Tam Nguyen com ideias de modelagem para reaproveitamento de tecidos. 
Fonte: School of Fashion.

Upcycling é o termo utilizado para o processo de transformar resíduos ou produtos inúteis e descartáveis em novos materiais ou produtos de maior valor, uso ou qualidade. Esse termo se popularizou quando o arquiteto William McDonough ajudou a divulgar o conceito em seu livro “Cradle to Cradle: Rethinking the way we make things”. De lá para cá, o conceito se difundiu ainda mais e trouxe impactos para diferentes áreas – inclusive para a moda. Isso significa dar um novo uso a antigas roupas e acessórios e aproveitar restos de tecidos e elementos inusitados – como sacos de cimento e garrafas pet – na produção de peças. É importante entender que Upcycling é um conceito bem diferente de reciclagem. Enquanto reciclagem é um processo que transforma coisas velhas em novas, Upcycling consiste na reutilização de materiais em seu estado original. Como não precisa dos processos químicos envolvidos na reciclagem, o Upcycling é considerado uma proposta ainda mais ecológica.

Material para trabalhar e inciar projetos é o que não nos falta. Confira abaixo algumas ideias para colocar isso em prática: 





Para mais informações sobre o assunto, clica no play e confira o vídeo sobre esse assunto em meu canal: 


Beijos and see you soon!

27/11/2017

MEU PLANNER 2018


Durante 2017 alcancei um nível de organização e tranquilidade em relação ao meu trabalho, que eu nunca havia alcançado antes! Eu sempre fui uma pessoa "mahomeno" metódica: gosto de criar métodos para algumas atividades do meu dia, como por exemplo, tomar banho! Tem uma listinha de coisas que eu preciso seguir, tipo, primeiro vem o shampoo, depois o condicionador, depois eu escovo os dentes e depois sabonete. Eu JAMAIS posso inverter a ordem estabelecida de escovar os dentes e depois usar o sabonete. Idiota. Estranho. Eu sei. hahahah

Bom, se para essas coisas eu sou toda organizadinha, para o resto eu sou um caos! Detesto me atrasar, mas justamente por que não planejava meu tempo, eu vivia atrasada. 
No início desse ano, eu ganhei o meu primeiro planner da Catavento, uma marca carioca de papelaria artesanal com muito amor. Fiquei surpresa por conseguir alinhar minhas atividades e não gastar energia em coisas desnecessárias, inclusive bolei alguns métodos para que, cada vez mais, eu planejasse meu tempo e minhas metas! 

Com 2017 chegando ao final, eu já estou com meu planner 2018 em mãos esperando para preenchê-lo com objetivos e experiências para o próximo ano! 



Além de planners, a Catavento tem uma série de outros materiais de papelaria super fofos e com propostas bem legais! São itens para anotações, planejamento, para viajens, scrapbooks, cadernos com e sem espiral, washi tape, marcadores magnéticos e por aí vai!



Vocês tem desconto especial de 10% na Catavento utilizando o cupom: 
MARIELI 

Tem um vídeo lá no canal contando algumas dicas de como eu me organizo, clica no play e confere:



Beijos and see you soon!

23/11/2017

Brasil Eco Fashion Week #1


Coisa maravilhosa é saber que o que você tanto acredita está ganhando cada vez mais força por aí. É com muita alegria que dedico esse post a primeira semana de moda sustentável do país! Coisa doida, não? 


Em tempos de desfilar look do dia no SPFW ser algo tão importante para tanta gente do mundo da moda, organizou-se um evento dentro um espaço bem menor do que a Bienal, mas que acolheu com muito mais carinho e informação de qualidade todo mundo que quisesse participar. Com entrada gratuita e ingressos de 1kg de alimento para workshops sobre os mais variados assuntos relacionados a moda com avanço econômico, social e ecológico correto, a Brasil Eco Fashion Week transformou o Unibes Cultural, na Rua Oscar Freire, em um dos centros mais colaborativos sobre moda com propósito. 


A iniciativa foi idealizada por Rafael Morais e Fernanda Simon: São diversos profissionais mobilizados pela causa, formando uma corrente e acreditando na importância deste encontro, conta Fernanda, coordenadora nacional do Fashion Revolution

"O planeta passa por mudanças e felizmente, a demanda dos consumidores mais conscientes cresce também. Nós acreditamos que um dia toda roupa tem que ser sustentável e enquanto isso, o BEFW deseja inspirar e sensibilizar para que esta crença se concretize"

BEFW nasce como resposta à crescente demanda contemporânea por um mercado de moda engajado a valores humanos, consciência de consumo e preservação ambiental, confesso que já fico animada para a próxima edição, pois acredito muito na importância desse evento para mobilizar cada vez mais pessoas dentro desse novo cenário de moda.



As marcas participantes, escolhidas a partir de uma curadoria apurada que considera design, o meio ambiente, as pessoas e a criatividade, apresentam suas coleções nas passarelas da BEFW. Além dos desfiles, tem também um showroom aberto para varejo e atacado, propondo um novo modelo de vendas. Também é legal dar destaque para o Espaço Lab, que reuni fornecedores, protótipos e inovações da indústria da moda, ressaltando a importância da tecnologia e da gestão de processos ligados à sustentabilidade. A atividade é realizada com a disciplina FIS – Formação Integrada em Sustentabilidade da FGV/ CES – Fundação Getúlio Vargas e com a plataforma Moda Limpa


O evento rola no Unibes Cultural até o dia 24, na Rua Oscar Freire, e conta com palestras, desfiles, mostras e workshops, comidinhas vegetarianas e veganas em sua programação.

Aproveita e dá uma conferida nesse vlog feito lá para o canal com participações especiais de diversas marcas e projetos que marcaram presença na BEFW:



É isso por hoje, see you soon!

18/11/2017

GUIA DO TECIDO: o que você precisa saber sobre Algodão


Algodão é uma das fibras mais presentes em nosso armário, além de ser a matéria-prima de um dos maiores ícones do vestuário atual: o jeans. Nesse post vou abordar alguns pontos sobre cuidados que precisamos ter com tecidos de algodão e outras informações sobre sua cadeia produtiva. 
Bora começar esse assunto com um vídeo! Clica no play aí: 



O algodão é bastante resistente e de fácil lavagem e manutenção. Por ser extremamente confortável, é frequentemente utilizado em roupas exteriores e também em interiores. Aguenta o ferro quente. O algodão é durável e “respira”, absorvendo umidade. 

O ideal é sempre lavar em água fria, do avesso. Recomenda-se dissolver bem o sabão em pó, pois devido à agressividade de certos sabões, a proteção natural do algodão pode ser removida, bem como o amaciante aplicado durante o processo fabril, o que favorece um prematuro aspecto de envelhecimento à peça. Também serve como dica não torcer a roupa, só pressioná-la com suavidade. Muitas fibras se rompem quando a peça é tratada de forma mais "agressiva" - tadinha da sua camiseta, sendo maltratada -, isso pode até formar aquelas bolinhas chatas que se formam no tecido quando ele é muito friccionado. 

Evite usar alvejante. O ideal é deixar de molho, de 15 a 20 minutos, em um recipiente com bicarbonato de sódio. A medida é uma colher de bicarbonato para um litro de água. Já para a secagem, nada de sol. A peça de algodão, para continuar linda e impecável, deve secar à sombra e no cabide, sem ser pendurada pelas pontas!

É isso por hoje! See you soon!